Fenacor

SITES RESPONSIVOS PARA CORRETORA
E CORRETORES DE SEGUROS
FAÇA SUA INSCRIÇÃO

Sites Responsivos

Adequam-se a tablets e smartphones.
CONHEÇA OS MODELOS

Sites Personalizados

Caso queira algo diferente podemos desenvolver um site totalmente personalizado.

CONSULTE-NOS

Instalação e manutenção do conteúdo do site

Você não precisa se preocupar em criar o seu site, esse é o nosso negócio.
Basta nos enviar todo o contéudo necessário e nós ativamos o seu site.
A atualização de conteúdo é por nossa conta, você só precisa nos enviar a solicitação.

Valores


TAXA DE INSTALAÇÃO DO SITE PADRÃO
R$ 249,90 (parcela única)

MENSALIDADE
Corretor Associado:
R$ 34,90

Corretor não associado:
R$ 39,90

MODELOS

Site responsivo ajustam-se à tela do aparelho eletrônico utilizado reposicionando os elementos do site, a fim de mantê-lo funcional em vários formatos e tamanhos de tela.

ESCOLHA SEU MODELO

Clique nos botões abaixo e veja as cores dos modelos e um exemplo de como ficará seu site.

Clique nos botões abaixo e veja as cores dos modelos e um exemplo de como ficará seu site.

Clique nos botões abaixo e veja as cores dos modelos e um exemplo de como ficará seu site.

Clique nos botões abaixo e veja as cores dos modelos e um exemplo de como ficará seu site.


Notícias do Mercado de Seguros

​Mudança fortalece credor em recuperação judicial
Qua - Julho 5, 2017 2:19 pm  |  Artigo Acessos:1528  |  A+ | a-
Fonte: O ESTADO DE SÃO PAULO

O processo de elaboração de projeto para ajustar a lei de recuperação judicial entrou em sua reta final. O grupo de trabalho criado pelo governo para propor iniciativas já mapeou o que tem que ser feito e está construindo o texto legal que ainda será levado para aprovação do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles.

A equipe econômica estuda a possibilidade de dar preferência de recebimento do crédito concedido por instituições financeiras para empresas em recuperação judicial, caso a operação seja autorizada pelos credores.

Essa medida é vista dentro do governo como uma das mais importantes para fazer com que o mecanismo da recuperação seja mais eficaz no Brasil. "Hoje, mesmo que os credores concordem em dar preferência para esse tipo de crédito, o juiz pode acabar decidindo em contrário", explicou ao Valor uma fonte do governo. A nova lei de falências faz parte do escopo de medidas microeconômicas que a equipe econômica trabalha para aumentar a eficiência e produtividade da economia.

A preferência para o crédito novo a ser concedido já com a declaração de recuperação judicial das empresas é tratada como um caminho necessário para que as empresas possam se reerguer da situação de crise. Sem isso, a percepção é que há pouco disposição de o sistema financeiro ofertar recursos para ajudar no processo, já que o risco de não receber de volta aumenta muito.

Para o especialista em recuperação judicial Júlio Cesar Siqueira a medida em gestação "faz todo sentido". "Hoje já existe uma certa preferência, mas ela depende da hierarquia de liquidação dos ativos. Essa mudança dará mais segurança para quem financiar as empresas em crise. Recuperação judicial só acontece de fato com crédito novo", disse Siqueira.

Outra medida em estudo no grupo de trabalho do governo visa dar maior poder aos credores da empresa em crise. Se estes decidirem vender determinados ativos, o comprador pode ser liberado de qualquer passivo relacionado ao bem. "Hoje o juiz pode declarar o comprador solidário na dívida. Estamos dando mais poder aos credores. Hoje quem tem mais poder é o juiz", explicou a fonte governamental.

Para Júlio Siqueira, no sistema atual, muitas vezes o comprador do ativo da empresa pode acabar sendo forçado a devolver ou perder o bem que adquiriu da empresa em crise. Ele disse que esse tipo de situação ocorre com pouca frequência em varas especializadas nos grandes centros urbanos, mas onde não há esse tipo de juizado, a situação é mais complicada. "O comprador precisa ter mais segurança de que sua aquisição não será questionada", comentou.

O analista comenta que ajustes na lei de recuperação judicial se tornaram ainda mais necessários após o crescimento exponencial dos pedidos de empresa em 2015 e 2016, por conta da crise econômica. Para Siqueira, além dessas medidas, o governo deveria tratar também da questão de dívida tributária e de bens com alienação fiduciária, que ficam de fora dos processos de renegociação de débitos das empresas à beira da falência. "Tem que tratar todo o passivo da empresa de forma igualitária", avaliou, explicando que mais da metade dos passivos ficam de fora das renegociações por conta dessa restrição.
Top