Fenacor

SITES RESPONSIVOS PARA CORRETORA
E CORRETORES DE SEGUROS
FAÇA SUA INSCRIÇÃO

Sites Responsivos

Adequam-se a tablets e smartphones.
CONHEÇA OS MODELOS

Sites Personalizados

Caso queira algo diferente podemos desenvolver um site totalmente personalizado.

CONSULTE-NOS

Instalação e manutenção do conteúdo do site

Você não precisa se preocupar em criar o seu site, esse é o nosso negócio.
Basta nos enviar todo o contéudo necessário e nós ativamos o seu site.
A atualização de conteúdo é por nossa conta, você só precisa nos enviar a solicitação.

Valores


TAXA DE INSTALAÇÃO DO SITE PADRÃO
R$ 249,90 (parcela única)

MENSALIDADE
Corretor Associado:
R$ 34,90

Corretor não associado:
R$ 39,90

MODELOS

Site responsivo ajustam-se à tela do aparelho eletrônico utilizado reposicionando os elementos do site, a fim de mantê-lo funcional em vários formatos e tamanhos de tela.

ESCOLHA SEU MODELO

Clique nos botões abaixo e veja as cores dos modelos e um exemplo de como ficará seu site.

Clique nos botões abaixo e veja as cores dos modelos e um exemplo de como ficará seu site.

Clique nos botões abaixo e veja as cores dos modelos e um exemplo de como ficará seu site.

Clique nos botões abaixo e veja as cores dos modelos e um exemplo de como ficará seu site.


Notícias do Mercado de Seguros

​Queda dos juros faz investidor buscar opções mais arrojadas
Qua - Agosto 2, 2017 6:59 am  |  Artigo Acessos:862  |  A+ | a-
Fonte: O ESTADO DE SÃO PAULO

Com uma perspectiva de ganhos cada vez menores na renda fixa por conta da queda na Taxa Básica de Juros, especialistas recomendam diversificar a carteira para assegurar uma boa rentabilidade.

Uma das opções disponíveis no mercado que tem ganhado espaço no portfólio dos bancos e corretoras é o Certificado de Operações Estruturadas (COE). A vantagem do produto é a possibilidade de combinar, em uma única aplicação, segurança de um investimento em renda fixa com ganhos mais expressivos possibilitados pela renda variável.

O investimento funciona como uma cesta de diferentes produtos, de títulos de renda fixa a derivativos, e segue um objetivo específico, como, por exemplo, proteção contra a alta do dólar ou da inflação. A “blindagem” contra o risco na comparação com outras modalidades vem da garantia, na maioria dos COEs, do valor nominal do investimento. “O COE é uma opção segura que ‘trava’ as eventuais perdas, garantindo pelo menos o valor inicial investido”, explica Fábio Zenaro, superintendente de produtos da B3.

Ao permitir montar várias opções conjugadas, o COE diminui o valor total do investimento e unifica a tributação, que segue o regime da renda fixa. Com isso, explica Eduardo Contani, especialista em finanças da Fecap, o produto se torna um atrativo para aquele investidor com pouco conhecimento da dinâmica do mercado de capitais.

Emitidos pelos bancos desde 2014, o COE inicialmente era um título voltado para o público de alta renda, acostumado com investimentos sofisticados. Com a regulamentação da

oferta pública, em fevereiro de 2016, as corretoras passaram a disseminar o produto para a sua base de clientes, baixando o tíquete de entrada e investindo em educação financeira.

A XP Investimentos, que pulou de 10 mil clientes posicionados em COE para 30 mil nos últimos seis meses, aposta que o instrumento se tornará, até o início de 2018, um dos principais produtos da carteira de seus clientes. “Estamos investindo em educação financeira. No nosso aplicativo, temos vídeos que explicam como determinada estratégia rentabiliza o investimento”, explica Vitor Mansur, responsável pela mesa de produtos estruturados da XP.

Na Guide Investimentos, a maior parte dos COEs aposta na valorização de empresas e índices de ações no exterior, como Bolsa da Alemanha, Facebook, Tesla e Netflix. De acordo com o gerente de renda fixa da Guide, Bruno Carvalho, ao oferecer essas opções, a corretora chegou a 763 clientes no investimento em julho, um crescimento de 1.000% em relação a janeiro deste ano. “Treinamos nossos assessores para atrair cada vez mais aquele cliente que quer aplicar no exterior sem risco cambial e com capital protegido.”

Bancos. Desde o início da comercialização, o Itaú detém a maior fatia do mercado de COEs. Hoje, seu estoque é de cerca de R$ 4,5 bilhões, ou 45% do total de R$ 9,2 bilhões que estão distribuídos no varejo, de acordo com dados da B3. Para Eric Altafim, diretor de produtos do Itaú BBA, o COE deve crescer cerca de 15% até o fim do ano.

No Bradesco, o diretor de Tesouraria, Paulo Waack, prevê que, se a Selic chegar ao patamar de 8% em dezembro, conforme prevê o mercado, é possível que haja um novo “boom” de procura pelo COE. “Conforme os clientes observarem que suas carteiras têm rendimentos menores, acreditamos em um crescimento substancial desse mercado.”
Top