Fenacor

SITES RESPONSIVOS PARA CORRETORA
E CORRETORES DE SEGUROS
FAÇA SUA INSCRIÇÃO

Sites Responsivos

Adequam-se a tablets e smartphones.
CONHEÇA OS MODELOS

Sites Personalizados

Caso queira algo diferente podemos desenvolver um site totalmente personalizado.

CONSULTE-NOS

Instalação e manutenção do conteúdo do site

Você não precisa se preocupar em criar o seu site, esse é o nosso negócio.
Basta nos enviar todo o contéudo necessário e nós ativamos o seu site.
A atualização de conteúdo é por nossa conta, você só precisa nos enviar a solicitação.

Valores


TAXA DE INSTALAÇÃO DO SITE PADRÃO
R$ 249,90 (parcela única)

MENSALIDADE
Corretor Associado:
R$ 34,90

Corretor não associado:
R$ 39,90

MODELOS

Site responsivo ajustam-se à tela do aparelho eletrônico utilizado reposicionando os elementos do site, a fim de mantê-lo funcional em vários formatos e tamanhos de tela.

ESCOLHA SEU MODELO

Clique nos botões abaixo e veja as cores dos modelos e um exemplo de como ficará seu site.

Clique nos botões abaixo e veja as cores dos modelos e um exemplo de como ficará seu site.

Clique nos botões abaixo e veja as cores dos modelos e um exemplo de como ficará seu site.

Clique nos botões abaixo e veja as cores dos modelos e um exemplo de como ficará seu site.


Notícias do Mercado de Seguros

Meirelles prevê contas do governo no azul a partir de 2021
Seg - Setembro 11, 2017 6:40 pm  |  Artigo Acessos:838  |  A+ | a-
Fonte: G1

Ao anunciar o afrouxamento da meta fiscal para um rombo nas contas públicas, de R$ 139 bilhões para R$ 159 bilhões em 2017, e de R$ 129 bilhões para R$ 159 bilhões em 2018, o governo federal passou a projetar déficit primario em suas contas até 2020.

Questionado sobre a partir de quando o governo conseguirá voltar a fechar as contas no azul e fazer alguma economia para pagar os juros da dívida, o ministro da Fazenda estima que as contas públicas voltarão ao azul somente em 2021.

"Essa é a ideia", disse Meirelles. "Poderemos ter superávits cada vez maiores durante a década de 20", completou.

Para isso, além da aprovação das novas metas fiscais e suas medidas, o ministro conta com a aprovação da reforma da Previdência e de outras medidas econômicas em discussão no Congresso, como a criação da Taxa de Longo Prazo (TLP) e o Refis.
Top